quarta-feira, 25 de junho de 2014

Imagens do seminário da Semana Estadual sobre Drogas: EU ESCOLHI VIVER BEM (25 a 29 de junho de 2014)

SEMINÁRIO INTERSETORIAL PARA A FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES DE PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS (HUMANIZAÇÃO E EFETIVIDADE DO TRATAMENTO)

AS OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO INSTRUMENTOS LÚDICOS DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA E DE HUMANIZAÇÃO NOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO Á SAÚDE

Quero agradecer a Coordenação Estadual sobre Drogas (CESD) pelo convite, e aos amigos que prestigiaram o evento.

O meu percurso como profissional de saúde mental começou em janeiro de 1999, quando ingressei na oficina terapêutica de pintura do CAPS/ Ilha de Santa Maria, como membro do Programa de extensão da UFES, Cada Doido com Sua Mania/ CDSM. Nessa época eu era estudante de artes plásticas. Essa experiência marcou a minha vida, e desde então passei a direcionar a minha formação para campo profissional da saúde mental. A década de 1980 e 1990 foi de efervescência no campo da assistência à saúde mental, por conta da “reforma psiquiátrica” brasileira, movimento que culminou com a promulgação da Lei de Saúde Mental, em abril de 2001[1]
No Espírito Santo o Hospital Psiquiátrico Adalto Botelho, fundado em 1954, durante muito tempo reproduziu a realidade de outros manicômios brasileiros: era um depósito de gente, centro de exclusão. Séculos de funcionamento dos manicômios mostraram que esse modelo asilar e excludente inviabilizava as ações de humanização e, posteriormente de melhora dos indivíduos e, consequentemente, tornava praticamente impossível a reinserção social dos mesmos. A necessidade de se resgatar a cidadania do dito “louco”, fez com que nesse período um grande escopo de práticas e saberes se desenvolvesse: assistimos ao nascimento de uma nova clínica, na qual a loucura não é o lado avesso negativo da razão, antes, uma outra forma de subjetividade que foge ao padrão considerado “normal”. Um breve olhar sobre as oficinas terapêuticas no Espírito nos remete, irremediavelmente, para o trabalho pioneiro do Programa Cada Doido Com a Sua Mania, do qual fiz parte entre os anos de 1999 e 2007. Esse programa nasceu no centro de Psicologia da UFES e convocou psicólogos, artistas, arquitetos, advogados, e outros campos do saber para integrar a rede de atenção de saúde mental capixaba. O CDSM ingressou no Hospital Adalto Botelho em 1984, nessa época, o projeto se chamava “Grupos operativos” (Atendimento individual, entre outros). Em 1886 o grupo inseriu aos grupos operativos as oficinas terapêuticas com pacientes internados e 1992 passou a ser chamado Cada Doido Com Sua Mania, o Adalto Botellho ofereceu Oficina de Pintura, de eventos, entre outras. O CDSM, desde sua criação, trabalhou por uma clínica cujas práticas interdisciplinares gerassem uma cultura profissional mais humanizada e adequada ao contexto da saúde pública articulada à formação profissional em diferentes níveis, a saber, ensino, extensão e pesquisa. Com o fim do contrato entre a Universidade Federal do Espírito Santo e o Governo do Estado, o CDSM sai do Hospital Aldalto Botelho para, junto com a equipe de saúde mental da Prefeitura Municipal de Vitória/ SESA, estruturar o primeiro CAPS capixaba: o CAPS Ilha de Santa Maria, fundado em 1996, em Vitória. O CAPS é um modelo de assistência substitutivo ao modelo hospitalocêntrico representado pelos manicômios. Nele o paciente passa o dia e a noite volta para casa. O CAPS Ilha de Santa Maria foi uma escola para mim, e essa experiência estruturação e realização de oficinas terapêuticas seriam enriquecidas nos demais serviços por onde passei, a saber, o Ambulatório de saúde mental para crianças e adolescentes, no Hucam, que tinha como objetivo ser o primeiro CAPSi do ES; o Centro de Atenção para Crianças, Jovens e adultos, CACIA/ UFES, quando a clínica da psicose se abriu para a da neurose. Em 2007 as oficinas terapêuticas de poesia realizadas com diferentes grupos despertaram o desejo conhecer mais profundamente esse campo da linguagem, o poético, ingressei então no mestrado de letras da UFES e, em 2010, no doutorado de letras, intervalo temporal no qual a minha prática com oficinas terapêuticas se diversificou. Atualmente desenvolvo as oficinas terapêuticas no Mosteiro Zen Morro da Vargem, em Ibiraçu/ES, no ESTARTE e em organizações públicas e privadas.
A arte contribui para uma clínica mais criativa, fundamentada num olhar menos comprometido com a patologia e mais implicado com o humano. As Oficinas Terapêuticas são ferramentas privilegiadas de intervenção e tratamento terapêutico que estão ao alcance de todos, e que junto a outros serviços permitem uma cobertura mais ampla, não somente do paciente, mas também de sua família. Atividades que possuem um caráter desinstitucionalizante, as oficinas terapêuticas se ligam a um paradigma diferente do dualista cartesiano que marcou a sociedade e se refletiu em vários campos do saber humano. Nesse novo paradigma, os indivíduos buscam se reconhecer como BIOPSICOSSOCIAIS e espirituais, ou seja, seres que inter-relacionam suas partes psíquica, física, social e espiritual. As ações desenvolvidas nesse serviço devem, fundamentalmente, passar pelo caminho da inserção dos pacientes,
1.         Acredito que o marco primeiro da oficina terapêutica é que seja um espaço dialógico de acolhimento e de livre expressão.
2.        O trabalho coletivo, o agir, o pensar, o refletir a partir de uma lógica inerente ao paradigma psicossocial, na qual a diversidade, a subjetividade e a capacidade de cada indivíduo é respeitada, são alguns dos objetivos das oficinas terapêuticas.
3.      Os encontros nas oficinas devem produzir relações horizontais e de aprendizagem a partir das quais, pacientes e equipe, devem ter como foco o desenvolvimento da autonomia do paciente, passo importante para que esse se reconheça como cidadão (alguém com nome, com data de nascimento, com direitos, inclusive direito ao sonho, e não mais um número na estatística, uma patologia, “lá vem o bipolar”). O sociólogo Zigmunt Bauman, pesquisador dos fenômenos sociais contemporâneo, destacou que somos: “uma sociedade de consumidores”, vale destacar que as oficinas terapêuticas são uma forma de resistência ao sistema social vigente de consumo, elas colocam o individuo no mundo da produção, tanto de algo (documento plástico terapêutico), quanto de si mesmo. Ou seja, torna possível uma identidade outra.
4.        O trabalho a partir do campo simbólico permite a transformação da realidade objetiva, campo propício para a expressão da singularidade e subjetividade.
5.        Durante as oficinas os pacientes interagem uns com os outros e com os materiais e técnicas.
6.        O s conflitos internos e externos podem se projetar a partir do material, e a partir daí podem ser elaborados: os afetos podem ser catalizados.
7.        Essa prática propõe facilitar, por meio das múltiplas possibilidades da arte, a expressão da singularidade e da subjetividade, num espaço de convivência, criação e reinvenção do cotidiano.
8.        A oficina terapêutica não objetiva formar artistas, antes facilitar a expressão subjetiva dos seus participantes. Existem as oficinas de geração de renda, essas possuem objetivos específicos e importantes dentro dos serviços de saúde, pois, buscam capacitar os participantes em uma determinada prática, ou na produção de algo que pode ser comercializado, com vistas a que esse se insira no mercado de trabalho, e ganhe alguma autonomia (entre elas a econômica).
9.        Busca-se empoderar a pessoa por meio das práticas artísticas, enriquecê-la a partir da troca de conhecimentos, para que desenvolva uma postura crítica que o leve a tomar as melhores escolhas para a vida.
10.    Essa prática é lúdica, envolve o brincar e o aprender, ela é também catártica e, segundo a psicanálise, possibilita uma suplência subjetiva, ou seja, permite que o sujeito encene algo no plano simbólico, para que não seja necessário que o faça no plano real. Estudos mostram que a representação não é uma mentira, e nem uma ilusão, antes, ela é uma realidade outra que lança o produtor/expectador em um mundo intersticial, paralelo, onde tudo é possível, até mesmo as grandes mudanças de rumo na vida.

Obs: As oficinas devem resguardar essas características para que não se tornem um serviço de “ocupação do tempo”, mais uma “tarefa a ser cumprida”, por isso os pacientes devem ser partícipes de todas as etapas do trabalho, e deve-se evitar “programar” as atividades, essas devem ser flexíveis (case “Arte de viver”)

[1] Lei nº10.216, de 6 de abril de 2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.









Fomos presenteados com a apresentação do coral do Instituto Sócio-Educativo do Espírito Santo. E deixo aqui o meu carinho aos colegas que dividiram comigo a mesa durante a tarde: Laelio Loureiro Del Pupo, da Comunidade Nova Perspectiva; Silvestre Falcão Santana, da Comunidade "Pequena Comunidade Jesus" e Clesio de Oliveira Venâncio, que apresentou os novos arranjos que estão possibilitando a melhora da Assistência à saúde em Cariacica. Meu abraço carinho, também, aos amigos Juliene, Robson, Norlen e a nova amiga Helena de Arruda Penteado, da "Rede Abraço".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de Arteterapia no curso de saúde coletiva da UFES, no Hucam (prof. Dr.ª Renata Bomfim)

Realizamos uma intervenção criativa junto aos alunos do curso de Saúde coletiva da UFES , a  convite da professora Dr.ª Marluce  Mechelli ...