domingo, 10 de agosto de 2014

Conversa, cuidado e cidadania na prevenção as drogas

Amigos,
A infância gera vivências significativas e que impactam o adolescente na sua formação. Por isso a família deve influenciar positivamente o adolescente para que este desenvolva emoções, comportamento e habilidades salutares, deve servir como uma rede de proteção para que este seja capaz de evitar experiências como a uso de drogas.


Os três "C"
Conversa: uma conversa só gera os efeitos esperados quando há sintonia entre as partes. Dessa maneira, não basta falar sobre prevenção de drogas, é preciso que se fale num nível de respeito, de abertura e compreensão. Lembrando que drogas são também químicas que se utiliza no cotidiano, os remédios, cigarros, produtos de limpeza e perfumaria, as bebidas alcoólicas. 
Cuidado: as conversas devem ser vinculadas a uma forma de convivência que privilegie o diálogo, e na qual o adolescente se sinta amado. Essa aceitação gera confiança e tranquilidade para que o adolescente lide com as pressões próprias da idade e com as pressões sociais vinculadas ao contexto aonde vive. O amor deve ser demonstrado através de gestos, carinho, abraços, palavras de incentivo e de força, e com a presença na vida dos filhos. A independência do adolescente deve ser incentivada, mas com limites definidos e, até mesmo negociados com o mesmo, pois, ele deve compreender que a confiança dos pais deve ser conquistada a partir da responsabilidade que assume sobre si mesmo e sobre os seus atos. Os adolescentes devem ser ajudados na sua auto-estima, ele deve saber que VALE A PENA,  não deve duvidar do seu valor, tanto para a família, quanto para a sociedade, pois pode trazer grandes contribuições a partir da sua singularidade. Insira o filho nas atividades do cotidiano, da casa, valorize a maneira como ele vê o mundo, evite rir de seus erros, aponte o quanto ele pode crescer e aprender com os mesmos. Seja um modelo, lute para melhorar, seja uma referência para o seu filho. 
Cidadania: Devemos ter em mente que o mundo não se resume ao núcleo familiar, é impossível criar filhos em bolhas, isolados, é preciso lutar por um mundo melhor exercendo a cidadania, se interessando pelo bairro onde vivem, por exemplo, não aceitando que os bares vendam bebidas para menores, contribuindo com a limpeza, a segurança, ou seja, deixando de ser passivo e agindo em prol do bem comum. 
*RB


* Texto apoiado na cartilha para pais e crianças/adolescentes, do Ministério da Justiça/ Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de Arteterapia no curso de saúde coletiva da UFES, no Hucam (prof. Dr.ª Renata Bomfim)

Realizamos uma intervenção criativa junto aos alunos do curso de Saúde coletiva da UFES , a  convite da professora Dr.ª Marluce  Mechelli ...