sábado, 20 de janeiro de 2018

É possível mudar! (Profª. Dr.ª Renata Bomfim)



Enquanto pesquisadora que trabalha a partir das linhas feminista e pós-colonial, acredito que qualquer prática social deve partir do reconhecimento da alteridade e do diálogo. Durante muito tempo assistimos instituições de saúde , especialmente as de saúde mental, tratar os portadores de transtorno mental grave como objetos, destituindo-os dos direitos mais básicos e retirando deles qualquer possibilidade de autonomia. Faço minha a pergunta dos pesquisadores e psicólogos  William Miller e Stephen Rollnick da Universidade do Novo México (Estados Unidos), que desenvolveram o método da Entrevista Motivacional (EM):

Onde foi que erramos? Como foi que passamos a acreditar que certo tipo de ser humano apresenta uma condição única que exige que utilizemos confrontação agressiva se desejamos ajuda-lo? Como se tornou possível, justificável e a aceitável nos valermos de tais táticas hostis para o tratamento de certos comportamentos de dependência [e/ou] no tratamento da maior parte dos outros problemas médicos e psicológicos?

A intervenção terapêutica deve levar o paciente a examinar e aceitar a realidade, por mais desconfortável que se apresente no momento. Muitos desanimam por considerar os problemas intransponíveis e daí resulta o desânimo e o sentimento de derrota. Vale destacar que a motivação não deve ser pensada como um traço da personalidade, antes, ela é um “estado de prontidão para a mudança” que pode ser influenciado. 

Os pesquisadores Prochasca e Carlo Di Clemente criaram um modelo que permite avaliar os fluxos de mudança do paciente, eles a denominaram de Roda da mudança e ela possui cinco ou seis estágios, sendo que o ponto de partida para a mudança (ainda fora da roda) se chama “Pré-ponderação”, ou seja, aquele momento em que a pessoa sente que necessita realizar alguma mudança na sua vida. Após esse reconhecimento, a pessoa entrará na roda da mudança no estágio da “Ponderação”. Logo que adquire um grau mínimo de consciência do problema a pessoa passa a ponderar, o que gear um estado de ambivalência, ou seja, de confusão, mas esse estágio é natural, faz parte do processo. Nesse momento, o papel do terapeuta é “ajudar a balança a inclinar para o lado da mudança”, o que faz com que o paciente avance para o estágio conhecido como “Determinação”.

 A balança oscilará, certamente, entretanto, no estágio da determinação o terapeuta deve utilizar um conjunto de estratégias terapêuticas para que o paciente avance para o estágio reconhecido como de “Ação”, no qual esse engaja-se em ações específicas para chegar a uma mudança significativa. Qualquer mudança deve ser sustentada, sendo que muitas vezes a roda gira e acontecem os deslizes e as recaídas. 

A "Manutenção" da mudança exige que o paciente desenvolva habilidades específicas, se não o fizer as recaídas podem ser recorrentes. A "Recaída"  deve ser encaradas como natural, ou seja, ela faz parte do processo e acontecerá até a pessoa consiga criar estratégias pessoais que lhe permitam dar conta da situação que pode ser o estopim do retrocesso. Uma das habilidades que devem ser desenvolvidas é a "Autoeficácia", que pressupõe a capacidade que uma pessoa possui de acreditar em si mesma e que a mudança é possível!


 Há alguns anos a Entrevista Motivacional (EM) integra o grupo de abordagens que utilizo nos atendimentos terapêuticos. A ênfase dos criadores da EA está na preocupação não com o poder do terapeuta, mas, com o poder do paciente. Esse pensamento coaduna com o da arteterapia que foca no que há de saudável no indivíduo, ao invés no que há nele de adoecido, com vista a potencializar o processo de cura. A entrevista motivacional passou a ser difundida na década de 1980 e desde veio se fortalecendo e evoluindo a partir da complexidade da relação terapeuta-cliente. Os  destacaram que essa abordagem pode ser utilizada em variados espaços sociais que oferecem atenção à pessoas e grupos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de Arteterapia no curso de saúde coletiva da UFES, no Hucam (prof. Dr.ª Renata Bomfim)

Realizamos uma intervenção criativa junto aos alunos do curso de Saúde coletiva da UFES , a  convite da professora Dr.ª Marluce  Mechelli ...