quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Saúde mental e adolescência (Drª Renata Bomfim)

O estresse excessivo gera consequências físicas e psicológicas semelhantes em adolescentes e adultos. Ansiedade, depressão, angústia, dores de cabeça e/ou abdominais, tensão muscular, entre outras são sintomas conhecidos de muitas pessoas. Há, ainda, adolescentes que apresentam doenças crônicas que geralmente são agravadas pelo estresse excessivo, as pessoas asmáticas são um exemplo. O estresse excessivo e permanente gera  desequilíbrio no organismo e altera o estado natural de seu funcionamento.
 O adolescente, em especial, vê-se naturalmente tendo que lidar com muitas mudanças, ele passa por uma série de mudanças e processos de adaptação, próprios da transição da infância para a adolescência, que resultam em transformações do corpo e alterações hormonais, passando por fatores sociais como mudança de escola, de casa, separação dos pais, acidentes, etc., que fazem com que o estímulo gerado pela descarga de adrenalina evolua causando o desgaste do organismo e levando o corpo a um estado de exaustão que compromete a sua  capacidade de adaptação ou reequilíbrio. É bom que o adolescente possa contar com um cuidado que contemple estratégias de educação em saúde,  assim eles podem compreender o sentido do tratamento aderindo ao mesmo. 

Quando recebo adolescentes no consultório busco identificar os fatores estressores que mais os prejudicam e trabalhar atividades que os levem a desenvolver habilidades sociais e autonomia para que possam sentir segurança e confiança. 

O nosso programa terapêutico recebe muitos estudantes pré-vestibulandos e outros adolescentes que, por variados motivos, não conseguem acompanhar o ritmo de estudos propostos pelas escolas e cursinhos. A depressão, a síndrome de pânico, etc., fazem com que fiquem algum tempo afastados e, infelizmente, nem sempre em tratamento. Quando necessário, atuamos em parceria com psicólogos e psiquiatras que formam uma rede de atenção capaz de ajuda-los.

Técnicas expressivas da arteterapia, biblioterapia, meditação, florais, soulcollage, meditação, yoga, entre outras técnicas integrativas constroem um campo de possibilidades para o adolescente, para que esse se expresse e reconecte. 

Não existe fórmula mágica, cada adolescente é único e reage de  forma particular aos eventos da vida e às intervenções terapêuticas. Precisamos respeitá-los, escutá-los e apoiá-los para que superem paulatinamente os medos, dificuldades e construam uma forma de lidar com os desafios diários da vida.

Dr.ª Renata Bomfim (arteterapeuta)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oficina de Arteterapia no curso de saúde coletiva da UFES, no Hucam (prof. Dr.ª Renata Bomfim)

Realizamos uma intervenção criativa junto aos alunos do curso de Saúde coletiva da UFES , a  convite da professora Dr.ª Marluce  Mechelli ...